Raimundo Lopes e a Coleção Mossoroense

No país de Mossoró, expressão criada e eternizada pelo saudoso Vingt-un Rosado, algumas coisas são genuínas, dentre elas, a Coleção Mossoroense, cujo selo gráfico já publicou e, com isso, revelou para o mundo, mais de uma dezena de autores da terra. Inegável a contribuição da Coleção para a formação literária da cidade e daqueles que, sem recursos financeiros, foram bancados pelo seu criador.

O seu fundador, Vingt-un Rosado, homem de visão prática, mas, e principalmente, histórica, via no surgimento de uma obra literária, a ascensão da cultura em sua cidade.

Primordial o seu zelo para com os principais nomes da nossa literatura provinciana, acredito, todos eles sendo publicados pela editora da Coleção Mossoroense.

Não só isso, pois as publicações da Coleção Mossoroense com relação ao tema “Seca” é, de longe – através de monografias, dissertações e teses –, a mais bem abastecida sobre o assunto. Tenho, por fim, orgulho em afirmar que também faço parte dessa história, já que tenho vários livros publicados pela Coleção, inclusive o primeiro, o segundo e o quarto deles.

Ao doutor Dix-sept Rosado Sobrinho, atual diretor-presidente da Coleção, votos de que o selo consiga, cada vez mais, colocar no mercado literário novos talentos e, com isso, elevar ainda mais o nome deste país tão querido por todos nós. Raimundo Lopes