Antonio Gonzaga Chimbinho – Sua vida em prol da cultura

            Sexta-feira passada o acadêmico Dix-sept Rosado Sobrinho fez o elogio da cadeira 21 do patrono Antônio Gonzaga Chimbinho, da Academia de Ciências Jurídicas e Sociais de Mossoró (ACJUS). 

Foi um momento de mostrar que o homenageado sempre foi um cidadão a frente do seu tempo e a serviço da sociedade.

Acompanhe todo depoimento do acadêmico Dix-sept Sobrinho num incrível elogio à Antonio Gonzaga Chimbinho. Este mesmo trabalho foi numa plaquete  Série B — Volume 2810:

            “Ao tomar posse com muita honra da Cadeira número 21 da ACJUS, sigo a ritualística desta casa, razão de tornar a imortalidade da memória de grandes vultos, um prazeroso dever ao relembrar ações, jeito de ser e feitos de uma grande figura desta galeria que compõem os patronos da  ACJUS. E o faço com enorme alegria, pois que o meu patrono, Antônio Gonzaga Chimbinho destacou-se como um ser humano admirável em sua simplicidade, sua maneira democrática de decisões, seu trato ameno e cordial. Um diplomata das grandes causas.
Aqui agradeço aos familiares do professor Gonzaga Chimbinho que mantêm com zelo e carinho a sua lembrança, a sua saudade.
Agradeço, duplamente, à professora doutora Taniamá Barreto pelas belas palavras sobre minha pessoa e pela liderança na denominação deste auditório com o nome de minha mãe, de carinhosa e saudosa memória: América Fernandes Rosado. Estendo meu agradecimento ao vereador prof. Francisco Carlos, autor da Lei que oficializou essa denominação e aos que fazem esta Biblioteca Ney Pontes Duarte, que nos acolheu tão generosamente.
Ao recordar Antônio Gonzaga Chimbinho, fazemos paralelo com grandes figuras humanas de nosso interland e relembro a todos que o ano que vem, 2020, será comemorado o centenário de nascimento de Raimundo Soares de Brito e Vingt-un Rosado.
Toda pessoa é única, mas destaco a individualidade e a multiplicidade que pode existir no ser humano. Como nos falava Gandhi: “Minha vida é um todo indivisível, e todas as minhas atitudes encontram-se umas com as outras; e todas elas se elevam no meu amor insaciável pela humanidade.”
            No exemplo de Antônio Gonzaga Chimbinho, fazemos paralelo na vida do homem de família, do amigo, do educador, do político, do empresário.
Quando nasceu aquela criança na Vila Bela da Princesa, depois denominada de Assu, no Rio Grande do Norte, aos 16 de janeiro de 1947, poucos poderiam apostar que ele seria um vitorioso e de grande projeção. Vinha de família humilde, de sertanejos e, só o persistente apoio familiar e esforço próprio levariam Antônio Gonzaga Chimbinho a ser reconhecidamente um cidadão ilustre. Filho de Francisco Pedro Chimbinho, operário da construção, e Rosa Gonzaga Chimbinha, do lar.

            Teve como avós paternos José Chimbinho e Maria Ferreira Chimbinha; e como avós maternos Francisco Maria de Melo e Rosa Gonzaga de Melo. Seus irmãos são Antônia Gonzaga (in memoriam), Maria Arlete Gonzaga Chimbinha, Margarida Gonzaga de Araújo Chimbinha, Neuma Gonzaga Chimbinha, Francisco Alberto Gonzaga Chimbinho.
Um fato pitoresco e que às vezes causa curiosidade é a origem do sobrenome Chimbinho. Foi-me explicado que esse era o apelido com que era conhecido o seu pai, o pedreiro Francisco Pedro. Chimbinho
passou a incorporar ao nome familiar.
Aos 14 anos de idade, registramos que Gonzaga passou a trabalhar em uma sorveteria do casal Tarcísio e Terezinha, residentes em Assu/RN.
Cursou o ensino fundamental no Instituto Padre Ibiapina, Colégio Juscelino Kubitschek de Oliveira, ambos em Assu/RN. O ensino médio, no Colégio Winston Churchill, em Natal/RN. Fez graduação superior na antiga Fundação Universidade Regional do Rio Grande do Norte FURRN, 
hoje UERN, no Curso de História e especializou-se na área de Sociologia na FURRN/MEC/DAU (Departamento de Assuntos Universitá-
rios).
Em 1967, passou a residir em nossa bela capital, Natal, onde finalizou o curso colegial e, mais adiante, passou a trabalhar na Livraria Universitária.
No município de Mossoró, ele chegou em 1971 e gerenciou a então Livraria Abolição, do grupo empresarial J. Pereira & Cia. Contraiu núpcias, em julho de 1973, com a senhora Jandira Capistrano Gonzaga Chimbinho, técnica em contabilidade e que viria a desempenhar um papel muito importante em sua vida: o de esposa, amiga, companheira e empresária. Tem como filhos Thiago Capistrano Gonzaga, Tasla Capistrano Gonzaga e Thaísa Capistrano Gonzaga e netos Maria Luíza, Letícia e Miguel.
Gonzaga destacou-se em todos os níveis de sua formação e de suas atividades. Foi, por exemplo, presidente do Diretório Estudantil Alípio Bandeira da FURRN, hoje Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-UERN. Foi professor titular das disciplinas de Introdução à Sociologia, Sociologia Geral e Fundamentos da Sociologia, na UERN. Chegou ao cargo máximo da UERN, exercendo a função de Reitor no período de 1989 a 1993 (nos governos do Rio Grande do Norte de Geraldo Melo de 15/03/1987 a 15/03/1991 e José Agripino Maia de 15/03/1991 a 02/04/1994).
Foi assessor dos reitores padre Sátiro Cavalcanti Dantas e Maria das Neves Gurgel de Oliveira Castro
,
Recebendo a posse do Reitor Antônio Capistrano e do Governador Geraldo Cerimônia de posse como
Reitor eleito da UERN 
Jerônimo Dix-sept Rosado Maia Assessor de Relações Internacionais, membro do Diretório do Conselho de Reitores-CRUB, membro da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (ABRUEM); Gonzaga presidiu o 1º Encontro de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais; foi Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UERN; Coordenador do Processo de Reconhecimento da UERN, na sua gestão de Reitor, junto ao Conselho Federal de Educação; membro
do Núcleo de Estudo e Pesquisa da 3ª Idade-NEPTI/UERN; membro do Núcleo de Estudos Pró-Criança e Adolescente – PROAE/UERN; membro do Conselho Nacional de Reitores; membro da Comissão de
Estadualização da UERN(1986); membro da Comissão do Projeto de Discussão de Autonomia Universitária – Ministério da Educação; dinamizou o Centro Rural Universitário – CRUTAC, com o projeto multiprofissional de extensão na penitenciária “Uma Luz para a Vida”; criou os projetos culturais: “Outras Falas” e “Curto Circuito”, na UERN; criação de 2(dois) Programas de Educação Tutorial – PET, na Faculdade de Enfermagem e Curso de Ciências Sociais, inovando na política para os discentes; conseguiu a ampliação física da UERN com
a construção e equipagem de 36(trinta e seis) novas salas de aula; implantou a nova política salarial para professores com regime de 40 horas e dedicação exclusiva; construiu, em parceria e convênio da FURRN com o Governo do Estado do Rio Grande do Norte, na administração de Geraldo Melo, o Conjunto Habitacional Geraldo Melo, para funcionários de baixa renda; assinou convênios internacionais — Canadá, Espanha e Universidade de Laval para os primeiros cursos a nível de mestrados, em Mossoró/RN; formatou o Anteprojeto do mestrado do meio-ambiente (FURRN); implementou convênio com Cuba para vinda de professores para implantar os cursos de Física e Química da UERN; criação do Mestrado de Direito consorciado com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade do Estado do Ceará, Universidade Potiguar e Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-UERN; 
Jerônimo Dix-huit Rosado Maia criou o primeiro Curso de Especialização em Secretariado para funcionários da UERN; adotou a informatização na FURRN com computadores vindos do Canadá; criou o Centro de Estudos e Pesquisas do Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional do SemiáridoCEMAD/UERN; liderou movimento da revitalização do antigo Clube Ipiranga, sendo dele a autoria da denominação atual – Associação Cultural e Esportiva Universitária (ACEU); recebeu Diploma de Consagração Pública como proprietário da Livraria Independência – ENAPP, pesquisa de opinião pública; recebeu o Diploma de Honra ao Mérito concedido pelo Centro Cívico José de Arimatéia Leite; recebeu o Título de Honra ao Mérito pelo Jornal “O Comerciário” na festa de 4º aniversário de sua fundação; recebeu o Título de Honra ao Mérito, na celebração dos 37 anos da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-UERN; recebeu a Medalha de Honra ao Mérito Presidente Café Filho, pelo tradicional Baile da Sociedade Brasileira; recebeu o Título de Sócio Honorário do Instituto Cultural do Oeste Potiguar-ICOP, pelos relevantes serviços prestados à cultura mossoroense; recebeu o Título de Honra ao Mérito pela Companhia de Teatro Escarcéu, pelos serviços prestados à arte e à cultura local; recebeu o Título de Cidadão Baraunense, pela Câmara Municipal de Baraúna, Estado do Rio Grande do Norte; recebeu o Título de Cidadão Mossoroense, instituído pela Câmara Municipal de Vereadores de Mossoró/RN; recebeu o Diploma Especial pelo reconhecimento de sua participação na Campanha Infantil de Trânsito, instituído pelo Departamento de Trânsito do Rio Grande do Norte; Livraria Independência, localizado á Praça Vigário Antônio Joaquim em Mossoró recebeu o Diploma de Presidente do Diretório Central dos Estudantes na então URRN, hoje, UERN; recebeu o Título de Gratidão
pelo Conselho Comunitário do conjunto Liberdade I, em virtude dos importantes serviços àquela comunidade mossoroense; Certificação de Nomeação para o cargo de Diretor-Presidente do 8º Grupo de Escoteiros “Baden-Powell”. Além destes prêmios citados, Gonzaga Chimbinho recebeu uma grande quantidade de certificados conquistados através de diversos seminários, palestras e cursos, dentre outros.
Ele foi ainda decisivo colaborador e apoiador do esporte amador e dos clubes de futebol profissional da cidade, Potiguar e Baraúnas.
Gonzaga foi Presidente da Fundação Municipal de Cultura, da Prefeitura Municipal de Mossoró (de 1997 a 2008, na administração de Rosalba Ciarlini Rosado em seu 2ª mandato e Fafá Rosado em seu 1ª mandato, respectivamente); presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (por 2 anos); Membro da diretoria do Clube de Diretores Lojistas de Mossoró-CDL; vice-presidente da Associação de Pais e Amigos do Excepcional-APAE de Mossoró (por 2 mandatos); membro participante da Loja Maçônica; membro da Unidade Temática Cultura-Rede Mercocidades (Argentina e Países do Mercosul); presidente do Grupo Comercial Antônio Gonzaga Chimbinho, composto pelas lojas, Livraria Independência (Natal e Mossoró), Livraria do Estudante, Escrita Móveis e ATEMAQ Serviços.

Uma recente Lei da Câmara Municipal de Mossoró, muito justamente, denominou um conjunto habitacional com o nome de Antônio Gonzaga Chimbinho.
Grandes contribuições de Antônio Gonzaga Chimbinho para Mossoró e Rio Grande do Norte, como professor, como empresário, como reitor (sendo governador do estado do Rio Grande do Norte,
Geraldo Melo – de 15/03/1987 a 15/03/1991- e José Agripino Maia – de 15/03/1991 a 02/04/1994), como presidente da Fundação Municipal de Cultura-FMC (nas Administrações de Fafá Rosado e Rosalba Ciarlini Rosado):
A) No nível estrutural:
– Contribuiu com a estruturação da Estação das Artes Elizeu Ventania, antiga Estação Ferroviária de Mossoró;
– Mobilizou os artistas, junto à PETROBRAS para a construção do Teatro Municipal Dix-huit Rosado;
– Aliou-se aos artesãos pela implantação do Arte da Terra (antiga Casa do Artesão da Fundação Municipal de Cultura-FMC);
– Criou a Escola de Música Dr. Pedro Ciarlini (antiga Divisão de Música da FMC);
– Lutou para que as praças da cidade fossem dotadas de equipamentos de esporte e lazer;
– Aliou-se aos desportistas pela construção do ginásio Poliesportivo Pedro Ciarlini (antiga Assessoria de Esporte e Lazer da FMC);
– Lutou pelo redimensionamento e construção da Biblioteca Municipal Ney Pontes Duarte.
No nível organizacional:
– Instituída nova Lei de Incentivo à Cultura Vingt-un Rosado, junto ao Conselho Municipal de Cultura e sendo elaborado Estatuto com cadastro de todos os artistas para o fomento de projetos culturais;
– Criação das Escolas de Dança Augusto da Escóssia e do Teatro Kiko Santos; – Criação de Prêmio Fomento, anterior à Lei de Cultura, para incentivo aos artistas do município;
– Memorial da Resistência
C) Grandes Eventos Culturais:
– Redimensionamento do Carnaval de Mossoró;
– Apoio à criação dos carnavais de bairros, Carnabuco (no bairro Alto da Conceição), Carnajucas (no bairro Doze Anos), ADUERN e Melhor Idade;
– Concurso de quadrilhas – municipal, matuta e interestadual;
– Concurso de Rei e Rainha do Carnaval – adulto, infantil e 3ª idade;
– Comboio Junino;
– Penteado Junino;
– Burro-táxi;

– Brincando de Joãozinho, Pedrinho e Toinho (para crianças);

 – Forrócicleta;
– Maquete junina;
– Arraiá nas praças;
– Corrida de jegue;
– Forró itinerante;
– Cinema na roça;
– Circos do forró pé de serra;
– Tenda eletrônica do forró;
– Festival de pífanos e cabaçais;
– Festival de repentistas;
– Festival de sanfoneiros;
– Botando boneco;

A Câmara Municipal de Mossoró, no lançamento do Projeto Câmara Cultural, em
2015, outorgara o Troféu Gonzaga Chimbinho.

– Festival de humor;
– Rainha do sabugo;
– Seminário cultural;
– Exposição junina;
– Festa da colheita;
– Seminários do cangaço;
– Coordenação da Arena Deodete Dias, da Estação da Artes, dos vigilantes, do setor de lanches, prêmios para Jurados e Assistência às Quadrilhas juninas Interestaduais, plantão 24 horas: limpeza, luz, saúde/hospitais privados, rede municipal e Comunidade de Saúde;
– Segurança II Batalhão de Polícia Militar, guardas municipais e segurança privada;
– Trânsito e tráfego da Prefeitura Municipal de Mossoró;
– Plantão de Delegacia Civil na Estação das Artes Elizeu Ventania;
– Juizado do Meio Ambiente, da Criança e do Adolescente;
– Polícia Federal;

– Projeto barraqueiros, pequenos, médios e grandes empreendedores;
– Seminário de preparação para segurança privada e barraqueiros;
– Criação do Auto da Liberdade – homenagem aos fatos históricos dos Mossoroenses: Motim das Mulheres, Primeiro Voto Feminino da América Latina, Libertação dos Escravos, Invasão do Bando de Lampião à Mossoró;
– Seminário Novas Liberdades;
– Cortejo Cultural – 30 de setembro, todas as instituições mossoroenses comparecem a este cortejo, que chega a dez mil pessoas, num grande desfile cívico, militar e cultural na Avenida Alberto Maranhão;
– Maratona fotográfica;
– Denominação da construção da Estação das Artes Elizeu Ventania a Corredor Cultural;

– Abrigou na Biblioteca Ney Pontes Duarte as instituições culturais: ICOP, AMOL, AFLAM;
– Viva o Natal em Mossoró ( mês de dezembro), apoio a todos os eventos culturais e religiosos;
– Chegada de Papai Noel;
– Participação na organização do Oratório de Santa Luzia.
D) Projetos:
– Criação do Projeto Mossoró Capital da Cultura, 2º lugar em 2007 (administração Fafá Rosado, 1ª mandato);
– Baú do Livro;
– Amigos da Biblioteca;
– Rua da Arte;
– Repente nas Escolas;
– Dança nas Praças;
– Músicas nas igrejas;
– Retreta Didática;
– Flauta Mágica;
– Coral – carcará, rouxinol; Fulô de Muçambê;
– Oficinas de teatro em várias escolas;
– Apresentação de grandes espetáculos teatrais com grupos Arruaça, Cia. de Teatro A Máscara, Escarcéu, Pão Doce e O Pessoal do Tarará;
– Participação de espetáculos de Dança Clézia Barreto e Grupo Vina;
– Projeto Pixinguinha;
– Projeto Popular de Teatro;
– Projeto Forraço da TV Cabugi;
– Projeto de Pintura e Escultura em Madeira;
– Feira Interestadual de Artesanato;
– Apoio a inúmeros folhetos de cordel;

– Início do projeto de redimensionamento do Museu Lauro da Escóssia;
– Projeto Calendário Cultural;
– A Cultura e o Povo;
Prefeitura nos Bairros.
E) Literatura:
– Manual cultural de Mossoró – UNICEF;
– Livro 1º e 2º volumes de antologia do prof. Aldaci de França;
– Construção do plano multicultural do município com várias instituições culturais da cidade;
– Construção do acervo histórico com confecção de relatórios do ano de 1997 a 2008, ficando este acervo na Fundação Municipal de Cultura;
– A Cultura da Prefeitura – Rosalba Ciarlini e Fafá Rosado (grande documentário bibliográfico);
– Apoio a inúmeras exposições e lançamentos de livros, CDS, plaquetas e outros;
F) Convênios:
– Ministério da Cultura – Aquisição de instrumentos musicais;
– Fundação José Augusto –Aquisição de instrumentos musicais;
– Banco do Brasil – Exposição 500 anos;
– Ministério da Cultura – Acervo bibliográfico, 3.500 obras doadas;
– Petrobrás – Redimensionamento da Estação Ferroviária, hoje Estação das Artes Elizeu Ventania e Teatro Dix-huit Rosado;
– Fundação Vingt-un Rosado – Aquisição de títulos;
– MERCOSUL – Cadastramento do Museu Lauro da Escóssia;
– Fundação Getúlio Vargas – Projeto em 2º lugar, Mossoró Cidade Junina da FMC;
– Membro efetivo da cultura no MERCOSUL, recebendo homenagem de Embaixador Cultural; Diocese de Mossoró – festas religiosas (Festa de Santa Luzia, São José e São Vicente);

G) Órgãos da Fundação Municipal de Cultura de Mossoró:
– Banda de Música Artur Paraguai;
– Biblioteca Ney Pontes Duarte;
– Museu Histórico Lauro da Escóssia;
– Escola de Música Dr. Pedro Ciarlini;
– Estação da Artes Elizeu Ventania;
– Teatro Dix-huit Rosado;
– Memorial da Resistência;
– Praça de Eventos;
– Assessoria de Esportes e Lazer, hoje no Ginásio Poliesportivo;
– Casa do Artesão, hoje Arte da Terra.

            O professor Antônio Gonzaga Chimbinho faleceu em 02 de março de 2013…
Deixou-nos imorredouro legado de saber, grandes realizações, amizades e cultura. Foi um comovente e real paradigma da vitória pelo esforço, pela educação, pelo trabalho, pela correção, pelo compromisso com o diálogo e a democracia, pela lealdade e competência.
Como nos ensinou Mahatma Gandhi: “Nos momentos de dificuldade de minha vida, lembrei-me que na história da humanidade, o amor e a verdade sempre venceram. O ser humano se engrandece no exato grau em que trabalha para o bem-estar do seu semelhante”
Muito agradecido a todos e todas.


Jerônimo Dix-sept Rosado Maia Sobrinho”