Dia do poeta da Literatura de Cordel e a Coleção Mossoroense

 

A Coleção Mossoroense é conhecida nacionalmente como sendo o maior movimento editorial do Brasil.  Infinidades de gêneros literários foram publicados com o seu selo, dentre eles, a literatura de cordel. Na Coleção Mossoroense, o cordel faz parte da Série D. As séries são editoriais são divididas em número de 10 que vão de A a J.

Hoje está sendo comemorado o Dia do Poeta da Literatura de Cordel e a Fundação Vingt-un Rosado vem celebrar o poeta de luta que tanto contribui e contribuiu para a cultura popular brasileira.

Nomes como os de Geraldo Maia, Cid Augusto, Gualter Alencar, Antônio Francisco, Crispiano Neto, Kydelmir Dantas (pseudônimo Antôi Dedé), Bob Mota, José Ribamar, Cícero Laurentino e tantos outros, fazem parte do rol de cordelistas com publicações com o selo da Coleção Mossoroense. São diversas temáticas publicadas.

Para quem não conhece, a literatura de cordel é um gênero literário popular, originado de relatos orais e depois impresso em folhetos. Ele é escrito frequentemente de forma rimada

O nome “cordel” deriva de corda. Forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para venda, pendurados em cordas ou barbantes.

Alguns cordéis são ilustrados com xilogravuras (técnica que se utiliza uma madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada). Os cordéis mais modernos apresentam fotografias ou ilustrações digitais na sua composição.

Parabéns, nobres poetas. Sua poesia ecoa nos quatro cantos do Nordeste, contando histórias e encantando multidões.